Em exposição

Modernos 10

Os destaques do modernismo brasileiro na coleção Roberto Marinho.

28 Abr a 30 Out

Terça-feira a domingo
12h às 18h

*Entrada até 17h15

R. Cosme Velho, 1105
Rio de Janeiro, RJ

Visite a exposição

Uma casa que viveu a história da arte brasileira

Planeje sua visita

Vídeo

Faça um passeio pela casa

Foto da Casa Roberto Marinho

A coleção retorna à sua casa

Casa e Coleção nasceram embaladas pelo desejo de construir uma linguagem própria do país.

Dois passos importantes foram dados por Roberto Marinho em 1939: a construção da casa do Cosme Velho e o início de sua coleção de arte especializada em Modernismo brasileiro.

No que toca à residência, uma imagem do Solar de Megaípe, em Pernambuco, inspirou as feições da sua arquitetura neocolonial. Fazia uma alusão ao passado nacional, novidade pré-modernista em tempos nos quais o estilo eclético, de inspiração europeia, imperava nas construções das moradas particulares cariocas.

Desde o começo, o proprietário tinha a ideia que a residência, além de abrigar a sua família, deveria propiciar a realização de eventos culturais e sociais vinculados às suas funções empresariais. A casa do Cosme Velho, inaugurada em 1943, foi durante cerca de sessenta anos palco de acontecimentos de música, literatura, artes plásticas e teatro. O solar desempenhou, ainda, o papel de “sede informal do Itamaraty”, ao receber, a pedido do Ministério das Relações Exteriores, visitantes ilustres e chefes de Estado.

O seu acervo de arte começou reunindo pintores contemporâneos do jovem jornalista, que assumiam o Brasil como tema, linguagem e motor. Buscavam, assim, exorcizar o desencanto dos artistas de gerações precedentes que praticavam temas da pintura tradicional do Velho Continente substituindo apenas, aqui e ali, a flora temperada por espécimes tropicais.

Ao longo dos anos a coleção foi acrescida de algumas peças estrangeiras, mantendo sempre o foco principal na arte brasileira, especialmente o Modernismo dos anos 1930 e 1940, além do Abstracionismo Informal. As paredes do solar do Cosme Velho abrigaram, muitas vezes em rodízio, as importantes obras que, ao se multiplicarem nos anos 1980, demandaram o armazenamento em um local externo específico.

A percepção da importância do conjunto reunido gerou a preocupação de compartilhá-lo com um público maior do que os frequentadores da residência e fez o colecionador Roberto Marinho adotar uma política generosa de empréstimos de seu acervo para instituições. Além disso, foram organizadas, entre 1984 e 2014, doze mostras de suas obras no Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Fortaleza, Buenos Aires e Lisboa.

Após o desaparecimento do jornalista em 2003, os espaços e paredes do Cosme Velho quedaram em repouso até 2014. Começou neste ano o processo que levou à sua transformação em Instituto Casa Roberto Marinho, com reformas na Casa Principal, de modo a torná-la um espaço expositivo ao qual se agregaram os novos prédios de um Espaço Educativo e da Reserva Técnica. Sem culto nostálgico, procurou-se fornecer ao bairro do Cosme Velho e ao Rio de Janeiro um espaço dinâmico, ainda que tranquilo. Teve-se a preocupação de não sobrecarregar com elementos arquitetônicos o jardim, projeto inicial de Burle Marx, um elemento primordial do conjunto.

Expor, educar e preservar são os objetivos precípuos da nova instituição que, partindo do acervo artístico reunido por Roberto Marinho, desenvolverá atividades culturais. Sem perder a escala, calma e simplicidade original de uma residência incrustada numa franja da Floresta da Tijuca.

Instituto Casa Roberto Marinho

Quadro

A Casa é um espaço aberto para exposições, palestras e projetos de educação

Conheça a casa